Mala Velha

mala-velha
trago na bagagem
um coração cheio de saudade
nessa longa viagem
sei, não tenho mais idade
mas papagaio no céu
corta a alma feito cerol
vento que levou meu chapéu
piaba que arrastou meu anzol

água da bica
leva folha e capim
alegria não se explica
mas quero, quero sim

trago da viagem
boneca de pano e pião
brincadeira de roda
gira, gira de pé no chão
roliman ladeira a baixo
mergulho de rio, de riacho

cor de cobra coral
canto de passarinho
pé de manga no quintal
raio de sol bem cedinho

Adriano Yamamoto – 29/04/2013

O, a, os, as

transito_luzesA serpente de luzes e faróis
A borracha grelhando no asfalto
As vitrines, pessoas fisgadas em anzóis
As árvores sozinhas na paisagem
As caixas de cimento e vidro
Os pássaros assoviam numa velha abordagem

Os olhares rasos no elevador
A fúria do relógio veloz
As palavras frias sem sabor
A cidade de sentido criado
O céu de telha cinza breu
O aroma do amor futilizado

O buquê de árvores pra respirar
As pessoas enlatadas ao redor
O transporte público para navegar
O homem que espalha raízes
As raízes que buscam água
A galeria de pessoas felizes

Os fragmentos de plástico com crédito
Os sentimentos cozidos à vapor
O vale a pena ver de novo inédito
A engrenagem que não para de girar
A ferrugem dos neurônios ociosos
Os meus dias que vão no ar

Adriano Yamamoto (Data: 26/02/2013)